vareja

Apanha da azeitona

A faina inicia-se com o estender da lona ao toro da oliveira, segue-se a vareja para que toda a azeitona da oliveira caia na lona. Ao recolher a lona são retirados os ramos que foram caindo durante a vareja, ficando na lona a azeitona e folhas, após o que é ensacada. Nos dias de hoje a azeitona que não cai na lona não é apanhada, pois o preço do azeite não compensa que  a azeitona seja apanhada uma a uma. O processo seguinte é a limpa da azeitona que antigamente se designava por ‘erguer a azeitona’ que consistia com a força de braço em atirar a azeitona ao ar para que o vento leva-se a folha, hoje recorre-se a maquinas e acessórios. Transportada a azeitona para o lagar é  transformada em azeite.

Transformação da azeitona em azeite
Chegada a azeitona ao lagar é pesada e colocada na tulha, em função do ritmo de trabalho do lagar a azeitona é lavada e transportada por um parafuso sem-fim para a masgadeira onde é transformada em pasta que depois de colocada nos capachos vai para a prensa onde é espremida a altas pressões. O líquido gorduroso que sai da prensa é bombeado para a centrífuga que faz a separação do azeite que vai para as cubas e a sangra que é recolhida num tanque. Nos capachos fica uma massa seca (designada por bagaço), que serve para queimar.

Tulha

 

err

Prensas
Cubas
Centrifuga